terça-feira, 25 de novembro de 2008

Solidão



Solidão,
dá um tempo e vá saindo,
de repente eu tô sentindo,
que você vai se dar mal.

Solidão,
meu amor está voltando,
daqui a pouco está chegando,
me abraçando todo meu,
meu, meu...

A solidão é nada
você vem na hora errada
em que eu não te quero aqui

Que solidão de nada,
eu preciso é ser amada,
eu preciso é ser feliz.

Solidão,
ele disse que me ama,
se amarrou em mim na cama
me levou até o céu,
céu...


2 comentários:

A. Jorge disse...

É sempre bom quando tudo acaba bem!

Um beijo

Jorge

Emanuel Azevedo disse...

Uma linda edição com lindas cores. Lindo poema, Um forte abraço dos Açores. Os meus parabéns!