domingo, 13 de maio de 2012

A conexão mágica. Uma crônica para mães e filhos.






“Não existe forma mais avançada de conexão que o sentimento. E nós conhecemos a fórmula desde o dia em que nascemos. Feliz Dia das Mães”.
Sim…todos conhecemos e vivenciamos, em algum ou muitos momentos da vida, essa conexão mágica que nos une a alguém, que estabelece laços e relações tão intrinsecamente fortes que estão além ou independentes dos sofisticados instrumentos tecnológicos. Mães e filhos conhecem isso. Embora através da vida tantas vezes permitam que isso se perca, ou que não se solidifique na vivência dos anos que passam, perdendo – ou ganhando, sei lá – um tempo precioso de uma encantada relação que expressa o sentimento mais louco que existe.
Porque ninguém se prepara para ser mãe, ninguém em posse de sua consciência pode afirmar que sabe ou domina todos os itens daquele intrincado fluxograma de funções e sentimentos que vão brotar assim de repente, como uma chuva rápida e intensa em tarde de verão.  Mas um dia aquela imensa barriga vira algo que pisca os olhinhos, que clama por cuidados, que cheira gostoso e ruim ao mesmo tempo, que ocupa sua casa, sua vida e sua alma como se nenhuma outra experiência na vida tivesse antes sido capaz de fazê-lo.
Se existe experiência empírica na vida, a de ser mãe larga na frente com corpos e corpos de vantagem. E ainda assim, mesmo diante do  imenso desconhecido que aquela aventura reflete, a mágica conexão se estabelece, desenhando uma sintonia tão plena, como se a vida nos tivesse sido oferecida para o instante encantado em que geramos, gestamos e sentimos. Ou se não geramos e nem gestamos, mas só sentimos. Ou se fomos gerados e gestados e agora, maduro que somos, só sentimos.
Não acredito em amores imponderáveis, acima e além das agruras, das dores, marcas e perdas que a vida nos oferece.  Mesmo entre mães e filhos, a estrada da vida não raras vezes nos leva aos caminhos tortos onde o baú dos sentimentos se rompe, deixando perder peças que não permitem que o quebra-cabeças se reconstrua do jeito que já foi um dia. Mas ainda assim há na memória afetiva os sinais que acionam a lembrança de uma conexão que perdura, que pode sempre ser retomada, que jamais se perdeu completamente entre as frequências instáveis e difusas da vida que a gente escolheu.
Somos novas pessoas a cada dia, e novas mães, e novos filhos também. Queremos muito, sofremos bastante e oferecemos, às vezes, tão pouco. Mas a mágica conexão nos possibilita voltar sempre e reconstruir a história, ou simplesmente contá-la de um jeito diferente. Nascemos filhos, viramos mães e voltamos a ser filhos, essa é a verdadeira imponderabilidade da vida. Saber preservar essa incrível conexão, a mais fantástica ferramenta tecnológica já construída, é que a grande aventura.

À minha mãe, que hoje, está ao lado de Deus Pai, todo poderoso,  a quem cuidei com o olhar de mãe, meu amor imenso. Às minhas filhas, com quem reconstruo a cada dia, ou de tempos em tempos, o aprendizado do que é ser mãe e filha, com todos os erros e acertos que essa montanha-russa às cegas nos oferece, meu amor intenso e, por que intenso, inexplicável. Às minhas netas, que hoje são a razão do meu viver! 
Feliz Dia das Mães!

Nenhum comentário: